Histórico
 Ver mensagens anteriores



Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 Melodia Infinita
 Felipe
 Eu Sou Fubanga
 Samba-Choro
 Nininho Vai Sambar
 Ideias ao Vento
 Bate Tambor
 Do Meu Lado de Fora da Casinha
 Samba Carioca


Leva meu samba
 

Sonho de bamba

Música: João Nogueira

 

Hoje eu estou cheio de alegria

E sou até capaz de me embriagar

Uns amigos bambas nesse dia

Me convidaram a participar

De uma escola de samba que é todo o meu dengo!

De um terreiro de bambas que é todo o meu mau!

 

Vou me mudar da tristeza

E morar na beleza do seu carnaval!

Vou me mudar da tristeza

E morar na beleza do seu carnaval!

 

Quero existir nesse azul

Repousar nesse branco

Portela, sou franco em dizer,

Que em matéria de samba

O meu sonho de bamba

Era mesmo você!

 

Pois se o azul é poesia

E se o branco é a paz

 

Minha Portela querida

Um poeta da vida

O que vai querer mais?

Minha Portela querida

Um poeta da vida

O que vai querer mais?

Foto: Ierê Ferreira

 



Escrito por Ierê Ferreira às 00h00
[] [envie esta mensagem]



Para quem ainda não curtiu a mais agradável roda de samba do Rio,

Aí vai uma dica: Eu (Ierê Ferreira), Renato Milagre e o Grupo Roda de Bamba,

esperamos vocês todos os sábados das 15 h às 22 h,

no Clube Renascença, na Rua Barão de São Francisco 35, Andaraí.

 

Agora confira algumas fotos.  

Serginho e seus convidados

Renato Milagre

Os comandantes Serginho, Meco e Carlinhos Doutor

A Canja do Grupo Trio Calafrio

Dinho na cuica, e Gil Ribeiro, no tantan

Raul no surdo, Ricardinho no cavaco e Pé de Pano no violão 

Eu e meu tamborim e a canja do percusionista Zero

Fotos: Ierê Ferreira e Marcio de Souza



Escrito por Ierê Ferreira às 21h43
[] [envie esta mensagem]



Herdeiros

Letra: Ecio de Sales

Música: Gil Ribeiro e Ricardinho

 

Foi na lavoura

Meu avô sofreu

Vovó chorou quando

Zumbi morreu

O meu velho pai

Essa lembrança

Que de mim

Não sai

 

Foi na senzala que aprendeu a amar,

Foi o quilombo que chamou de lá

 

Abenção meus avós

Que sempre olhou por nós

Eu a vi na minha mãe

Que me deu meu caminhar.

 

Abenção meus avós

Que sempre olhou por nós

Eu a vi na minha mãe

Que me deu meu caminhar.

 

 



Escrito por Ierê Ferreira às 20h41
[] [envie esta mensagem]




[ ver mensagens anteriores ]